O misterioso livro que ninguém decifrou

O misterioso livro que ninguém decifrou

O Manuscrito Voynich 
Universalmente conhecido como o livro mais misteriosa do mundo, ainda é o único livro escrito na Idade Média que ainda não foi decifrado. O manuscrito contém imagens de plantas nunca antes vistas e está escrito em uma expressão idiomática que não pertence a nenhum sistema alfabético e linguístico conhecido. 
Plantas desconhecidas
 O livro foi escrito em pergaminho de velino, é bastante pequeno: 16 cm de largura, 22 cm de altura e 4 cm de espessura. Consiste em 102 folhas, para um total de 204 páginas.A ligação, no entanto, sugere que originalmente compreendia 116 folhas e que 14 foram perdidas. 
O texto contém uma grande quantidade de ilustrações coloridas, retratando os mais variados temas: os desenhos permitem vislumbrar a natureza do manuscrito, conseqüentemente escolhido como ponto de referência para a divisão do mesmo em diferentes seções, dependendo do tema. de ilustrações: 
* Seção I (folhas 1-66): chamada botânica, contém 113 desenhos de plantas desconhecidas. 

* Seção II (folhas 67-73): chamada astronômica ou astrológica, apresenta 25 diagramas que parecem lembrar estrelas. Alguns signos zodiacais também são reconhecidos. Também neste caso é muito difícil estabelecer o que realmente lida com esta seção.

* Seção III (folhas 75-86): chamada biológica, nomenclatura devida exclusivamente à presença de numerosas figuras femininas nuas, muitas vezes submersas até o joelho em estranhos tanques intercomunicantes contendo um líquido escuro. 

Imediatamente após esta seção, há uma folha dobrada seis vezes, representando nove medalhões com imagens de estrelas ou figuras vagamente semelhantes a células, raios de pétalas e feixes de tubos. 

* Seção IV (folhas 87-102): chamado de farmacológico, devido às imagens de ampolas e frascos com formato semelhante ao dos recipientes presentes nas antigas farmácias. Nesta seção também há desenhos de pequenas plantas e raízes, presumivelmente ervas medicinais.

A última seção do manuscrito Voynich começa na folha 103 e continua até o fim. Não há imagem, exceto as estrelas à esquerda das linhas, e é por isso que somos levados a acreditar que é um tipo de índice. 
A teoria estabelecida hoje é que o manuscrito foi trabalhada como falso no século XVI, para perpetrar uma fraude: mais provável que o scammer seria o mago e astrólogo falsificador Inglês Edward Kelley ajudado pelo brilhante filósofo John Dee e que a vítima seria Rudolph II. 
O manuscrito Voynich, dos quais não há cópias, está mantido no livro Rare Beinecke e Manuscript Library da Universidade de Yale, nos Estados Unidos, onde tem o número de catálogo "MS 408" 

Quem descobriu o livro?
Foi Wilfrid Voynich, um negociante de livros raros americano que comprou de um colégio jesuíta na Villa Mondragone, perto de Frascati, em 1912. O contato entre Voynich e os jesuítas era o padre Joseph Strickland (Joseph Strickland 1864 -1915), um religioso jesuíta. Os jesuítas tinham uma necessidade de fundos para restaurar a casa e vendeu alguns livros para Voynich de sua biblioteca e entre esses livros estava o manuscrito misterioso.
Voynich descobriu no livro, uma carta de Johannes Marcus Marci (1595-1667), reitor da Universidade de Praga e médico real de Rudolf II da Boêmia, com a qual ele emitiu este livro para Roma com seu amigo polígrafo Athanasius Kircher para decifrá-lo. 
Rudolf II
Voynich afirmou que a escrita continha pequenas anotações em grego antigo e datava o volume como originalmente do século XIII. 
Na carta, tendo o título "Praga, agosto 19, 1665" (ou 1666), Marci afirmou ter herdado o manuscrito medieval de um amigo (que mais tarde revelar-se uma melhor investigação era um não conhecido alquimista chamado Georg Baresch) e que o seu antigo dono, o imperador Rudolf II, o comprou por 600 ducados (um número muito alto),a datação do texto ainda é controversa, mas é possível colocar a elaboração do texto em torno do início do século XVII.
 A análise de infravermelhos revelou a presença de uma assinatura posteriormente apagada de Jacobi a Tepenece, a assinatura tinha referências a Jacobus Horcicki que morreu em 1622 e era o principal alquimista que servia Rudolf II. 
Tendo recebido o título de Tepenece em 1608, esta evidência faz com que o manuscrito só pode ter sido feito após esse ano.
Análises recentes sugerem que o manuscrito foi feito entre 1404 a 1438,ai que aumenta mais o mistério deste livro.

Decifrando os textos
 Ao longo do tempo, especialmente ultimamente, tentaram decifrar a língua desconhecida de Voynich. O primeiro a afirmar que teve sucesso foi William Newbold, professor de filosofia medieval na Universidade da Pensilvânia. Em 1921 ele publicou um artigo no qual propunha um procedimento elaborado e arbitrário com o qual traduzir o texto, que teria sido escrito em latim "camuflado",ele afirmou que o manuscrito foi escrito por Roger Bacon.
William Newbold
A conclusão a que Newbold chegou com sua tradução foi que já no final da Idade Média as noções de astrofísica e biologia molecular seriam conhecidas. Newbold, analisando o manuscrito, no entanto, percebeu que as notas minúsculas não eram mais do que rachaduras em papel envelhecido.
Na década de 1940, os criptógrafos Joseph Martin Feely e Leonell C. Strong , tentaram obter um texto com caracteres latinos claros: a tentativa produziu um resultado que não tinha significado. O manuscrito foi o único a resistir à análise dos especialistas em criptografia da Marinha dos EUA, que no final da guerra estudaram e analisaram alguns códigos antigos codificados para testar os novos sistemas de decodificação. JM Feely publicou suas deduções no livro "Cifra de Roger Bacon: a chave certa encontrada", no qual, mais uma vez, atribuiu a Bacon a paternidade do manuscrito.
Em 1945, o professor William F. Friedman criou um grupo de estudiosos em Washington, o primeiro grupo de estudo de manuscritos Voynich (FSG). Ele optou por uma abordagem mais metódica e objetiva, na qual emergiu a repetitiva mostrada na linguagem do Voynich. No entanto, independentemente da opinião amadurecida ao longo dos anos sobre a artificialidade dessa linguagem, na prática, a busca se transformou em nada: de fato serviu a transposição dos caracteres em signos convencionais, que era servir ponto de partida para qualquer análise subsequente.

Professor Robert Brumbaugh, professor de filosofia medieval na Universidade de Yale, e o cientista Gordon Rugg, como resultado de investigação linguística, defendiam a teoria de que o Voynich era fraudulenta, que pretendia construir sobre o sucesso que naquele tempo as obras esotéricas levava aos tribunais europeus. 
Em 1978, o filólogo amador John Stojko acreditou reconhecer a língua e afirmou que era ucraniana, com as vogais removidas. No entanto, a tradução, apesar de ter em algumas passagens um sentido aparente, não correspondia aos desenhos.
Em 1987, o físico Leo Levitov atribuiu o texto aos hereges Catari, pensando que ele interpretava o texto como uma mistura de diferentes línguas medievais da Europa central. O texto, no entanto, não correspondia à cultura cátara, e a tradução fazia pouco sentido.
O estudo mais importante sobre o assunto foi feito em 1976 por William Ralph Bennett, que aplicou a série de letras e palavras do texto que repetia e a simplicidade da linguagem de Voynich, em suma, não se basearia apenas em um vocabulário limitado, mas também em um básico linguístico encontrado nas línguas modernas,  na língua havaiana é a única parecida. 
O fato de que as mesmas "sílabas", e até mesmo palavras inteiras, a ser repetido com uma freqüência tal que é irônico,bem relevante para uma concepção inconsciente, que não é enigmática.
O alfabeto usado, além de ainda não ter sido decifrado, é único. No entanto, 19 a 28 letras prováveis ​​foram reconhecidas, as quais não têm conexão com os alfabetos atualmente conhecidos. Suspeita-se também que foram usados ​​dois alfabetos complementares, mas não iguais, e que o manuscrito foi escrito por várias pessoas. A falta absoluta de erros ortográficos, exclusões ou hesitações, elementos constantes em qualquer outro manuscrito também é essencial.
Em algumas passagens há palavras repetidas até 4 ou mais vezes.

hipótese de linguagem filosófica
O livro foi analisado também como hipótese de linguagem filosófica,ou seja,uma língua artificial em que cada palavra é composta de um conjunto de letras ou sílabas que referem-se a ser uma divisão em categorias. 
Essa hipótese explicaria a repetição de sílabas, mas até hoje ninguém conseguiu dar um sentido racional aos prefixos e aos sufixos usados ​​em Voynich. 
 Também tentou descobrir se havia uma mensagem secreta codificada nos textos, mas a análise descartou essa hipótese, por causa da complexidade da construção de frases e palavras, é quase certo que não foi usado nenhuma codificação,são frases e palavras que são colocadas para compor o texto mesmo. 
O manuscrito também foi usado como base de inspiração para escritores em obras na literatura mundial,o fato é que o Voynich continua sendo um mistério intrigante.

Postar um comentário

0 Comentários