Fotos que marcaram o mundo para sempre

Fotos que marcaram o mundo para sempre

De fato todos gostam de guardar uma lembrança do passado,um objeto ,uma história contada por alguém ou até mesmo algo que viveu,mais com certeza uma foto representa tudo isso.(serhumanojair)
Desde sua invenção, a fotografia mudou totalmente a forma como vemos a história. Uma fotografia tirada na hora certa pode ficar gravado para sempre em nossas memórias.  
Um homem se recusa saudar Adolf Hitler em 1936.

Nikola Tesla sentado ao lado de uma versão avançada da sua bobina

O túmulo de uma mulher católica e seu marido protestante, Holanda 1888

Uma criança austríaca recebendo sapatos novos, durante a Segunda Guerra Mundial.
Os organizadores tentando parar a 1ª mulher a terminar a maratona de Boston em 1967.

O túmulo de Tutancâmon ainda selado 1922

Os operários que pintaram a Torre Eiffel de 1932.

Um soldado desconhecido na Guerra do Vietnã de 1965

O primeiro dia da mudança de direção na Suécia 1967

A última fotografia conhecida do Titanic ainda navegando em 1912

Annette Kellerman, que promoveu o uso do maiô em 1907, ela foi presa depois por atentado ao pudor.

Pintores sobre a ponte do Brooklyn, 1914

A primeira edição do festival de Woodstock 1969

Os Beatles tocando para apenas 18 pessoas antes de se tornarem famosos em 1961

A primeira viagem de metrô do mundo, Londres em 1862

Elvis Presley no Exército em 1958

Um homem mede as mulheres com roupa de banho. Se fosse muito curto, elas recebiam uma multa em 1920

Salvador Dali beija sua musa Raquel Welch depois de terminar o seu retrato em 1965

Uma menina com sua boneca nas ruínas de sua casa em Londres em 1940

Sorriso de Georges Cego da Resistência Francesa, foi fuzilado pelos nazistas em 1944
Estas fotografias exalam uma intensidade pungente! Elas perturbam, tocam e edificam, mas todos têm o seu encanto e interesse. Foi especialmente comovente ver uma menina sentada nas ruínas de sua casa com uma boneca e como não admirar a coragem dos pintores da Torre Eiffel e da ponte do Brooklyn !!!!

Fonte: Revisado por Banco criar 14/05/2019

A mente Bicameral


A Mente Bicameral

Embora pouco conhecido no Brasil, Julian Jaynes (1920-1997) foi um dos mais originais filósofos da mente do século XX. Nascido nos arredores de Boston foi também um grande professor universitário, tendo lecionado na Universidade de Princeton por longo tempo. Infelizmente, Jaynes não viveu muito. O alcoolismo corroeu sua saúde, o que o levou a falecer prematuramente.
Julian Jaynes
Sua obra principal, The Origin of Consciousness in the Breakdown of the Bicameral Mind, publicada em 1976, tornou-se, na época, muito popular nos meios acadêmicos americanos. Posteriormente, tornou-se uma espécie de leitura cult, por exibir um conhecimento profundo dos textos das antigas civilizações, o que demonstrava uma extraordinária erudição do autor.
Nesse livro, Jaynes apresenta uma hipótese inusitada sobre a origem da consciência humana, que aproximava pela primeira vez a Filosofia da Mente da História, do estudo dos textos antigos e da Antropologia. 
Seus pontos de vista são considerados um pouco fantasiosos, especialmente se examinados da perspectiva da Neurociência contemporânea.
Contudo, Jaynes continua sendo lido nos Estados Unidos ainda hoje, uma Julian Jaynes Society, que se dedica ao estudo de sua obra.
Ao que parece, sua teoria da consciência, apesar de fantasiosa, ainda é muito sedutora. 
A hipótese de Jaynes é que, se numa linguagem não existe a palavra “eu” (e seus pronomes), seus falantes não terão uma mente ou consciência no sentido em que nós a temos. 
A ausência de uma representação de “eu” na linguagem escrita é indício de que em uma determinada época ou cultura não havia nada parecido com uma “consciência”, talvez nem mesmo em sua tradição oral.
Houve um momento na história da humanidade no qual os seres humanos eram capazes de fazer várias coisas – falar, compreender, perceber e resolver problemas – mas não tinham consciência. 
Esses seres humanos são chamados por Jaynes de bicamerais, pois em sua época não havia introspecção e quando uma decisão precisava ser tomada, eles ouviam vozes (alucinações) que vinham de fora.
alucinações

Os seres humanos tinham uma mente cindida em duas; de uma delas vinham essas vozes, que eram os conselhos dos deuses que serviam também para guiar as sociedades. 
Essas vozes eram o que hoje chamaríamos de alucinações auditivas de um esquizofrênico, mas os textos antigos as registram como algo absolutamente normal na época da mente bicameral. 
A consciência é um “eu-narrador” internalizado que surge muito tempo depois e é possibilitado pela evolução da linguagem.
A investigação de Jaynes centra-se na tentativa de descobrir quando ocorreu esse passo evolutivo a partir do qual a consciência – no sentido que lhe atribuímos hoje – tornou-se possível. 
A data provável do aparecimento da linguagem já serve como uma referência inicial.
Em 3000 a.C., aproximadamente, surgiu a escrita moderna. 
A análise dos textos antigos para verificar quando eles começaram a representar algo parecido com um “eu” entre seus símbolos possibilita situar o surgimento da consciência com mais precisão. 
Até a época das primeiras versões escritas da Ilíada, ou seja, em 800 a.C., ainda não aparece nada parecido com um “eu” ou com uma consciência. Éramos marionetes dos deuses. Não havia introspecção.
Aquiles cura Pátroclo - Detalhe de vaso em técnica de cerâmica vermelha 500 a.C.

Mas, alguns séculos depois, por causa da superpopulação, complexidade da civilização e do caos das migrações, a mente bicameral entrou em colapso. 
É a partir daí que a consciência como experiência de uma primeira pessoa, de uma voz interna, teria surgido. 
As vozes alucinadas desaparecem e novos fenômenos como anjos e outros mensageiros entre o céu e a terra começam a aparecer, pois não temos mais como receber conselhos diretamente dos deuses. 
O “eu”, o narrador internalizado, se instala definitivamente.
Ao identificar a consciência como fenômeno posterior à linguagem, Jaynes diz que o seu surgimento é um upgrade no software mental dos humanos.
upgrade mental dos humanos

Essa etapa é representada na Grécia por Sólon, em 600 a.C.. Ele é o primeiro a falar de uma “mente” ou uma “consciência” no mesmo modo como falamos hoje. 
Ele é também considerado a primeira pessoa que teria dito “conhece-te a ti mesmo”, embora alguns historiadores sustentem que essa sentença tenha nascido no oráculo de Delphos. Mas os resquícios das vozes alucinadas perduram até hoje. 
Na época moderna, por exemplo, encontramos filósofos como Descartes e Wittgenstein ainda se referindo a vozes que teriam ouvido e que seriam oráculos privilegiados, embora já as situem dentro de nós. 
Suprimimos as vozes exteriores, mas ainda mantemos, de acordo com nossa tradição cristã, um anjo da guarda que nos “sopra” conhecimento privilegiado; 
Talvez tão privilegiado quanto o que Descartes e Wittgenstein julgavam ter.

A consciência é, então, um fenômeno relativamente recente na história da humanidade, e Jaynes não hesita muito em datá-la de 1400 a.C.. Essa hipótese, como, aliás, todos os passos de sua teoria, são minuciosamente fundamentados nos textos das civilizações antigas, o que torna seu livro muito convincente.
Há muitos que fazem uma espécie de leitura culturalista da teoria da consciência de Jaynes, mas não acredito que essa seja a sua proposta. 
Jaynes não é como Rorty, que supõe que mente e consciência sejam uma invenção bíblica e dos filósofos modernos, uma espécie de pseudoconceito que produz equívocos linguísticos. 
Ao identificar a consciência (o eu-narrador internalizado) como fenômeno posterior à linguagem, Jaynes está nos dizendo que seu aparecimento é algo que se compara a um grande upgrade no software mental dos humanos, ou seja, uma expansão da linguagem que permite a representação de novos operadores. 

É uma conquista semiótica da raça humana que pouco tem a ver com a expansão de nosso cérebro.
semiótica

O livro de Jaynes é considerado, até hoje, extremamente belo. 
É um extraordinário e meticuloso levantamento arqueológico das origens da consciência humana. 
Se Einstein nos dizia que o que é verdadeiro é belo, talvez estejamos aqui diante de uma teoria cuja verdade tenhamos de aceitar pela sua beleza. Fonte: Ciência & Vida

Religião e a Mente Bicameral
Papel da religião na sociedade humana 
Alister Hardy. 
“O homem é um animal religioso”.

Em A Origem da Consciência no Colapso da Mente Bicameral, Julian Jaynes mostra como a religião sempre foi um meio de organização social, e que as perspectivas sobre os deuses nem sempre foram as mesmas.
A ideia principal do livro se mostra efetivamente apocalíptica,tal qual como afirma William Harrington na contracapa do livro, a obra de Jaynes torna “estantes inteiras de livros obsoletos”. 
E talvez sim,a ideia principal passa pelo seguinte: e se o homem nem sempre tiver tido consciência de suas ações?
E se a consciência não for, como pensava Darwin, um fator evolutivo, mas cultural? Através de diversos relatos e provas consistentes, Jaynes mostra que a consciência humana não terá começado até à cinco mil anos atrás, e o que aconteceu portanto, à cerca de cinco mil anos?

A resposta é, a invenção da escrita.

Então o que haveria antes disso? Segundo Jaynes, antes do “eu”, havia a mente bicameral.
A mente bicameral, ou mente de duas câmaras, consistia no seguinte: consciência se dividia em duas partes distintas, o deus e o homem.
A parte direita do cérebro alucinava o “deus” (que sempre representava uma entidade superior) e a parte esquerda do cérebro recebia as ordens dessa alucinação divina.
Os homens não pensavam no sentido que hoje entendemos,respondiam simplesmente a estímulos alucinatórios.
Jaynes dá o exemplo da Ilíada, em que nenhum dos personagens pensa ou interioriza o pensamento, mas simplesmente obedece aos deuses. 
Temos interpretado os deuses como uma coisa exterior, mas e se representarem antes uma coisa interior?
O livro de Jaynes faz qualquer pessoa como eu, que duvida da religião, pensar duas vezes.E à medida que se lê, se compreende o porquê das coisas terem chegado ao ponto que chegaram. 
Quando a mente bicameral entrou em colapso (fim da alucinação) deu origem à consciência moderna, houve um caos.
Caos
Muita gente morreu. 

As pessoas não compreendiam porquê os “deuses” as tinham “abandonado” e se gerou na mente coletiva o pensamento de que os deuses partiram porque a humanidade teria feito algo de incorreto. 
Aí geraram esses conceitos de pecado, das coisas que os deuses querem que façamos e não façamos. 
Se gerou o mito de que os deuses tinham partido para uma morada “no céu” e então se criaram os intermediários alados entre deuses e homens, também chamados de anjos; Tudo isso faz enorme sentido.
Se compreende então também o porquê da existência da autoridade religiosa, como padres. 
No momento do colapso da mente bicameral, nem todos os homens a perderam. Durante talvez um milênio continuaram a existir este tipo de pessoas, mas em menor escala. Estas mentes talvez fossem tidas como “oráculos” e lhes era dada uma autoridade religiosa.
Em suas mentes bicamerais, eles conseguiam ainda “contactar” com os deuses, e as pessoas, sofrendo o choque de uma alteração mental, procuravam essas pessoas (alucinação) para orientação.
Existem fatos bastante curiosos sobre a posição dos deuses em relação aos homens há cinco mil anos. 
Na Suméria, desenhos representativos dos homens e deuses nunca mostravam os homens como hoje, se ajoelhando perante os deuses, lhes pedindo clemência. 
Pelo contrário, o homem era visto antes de pé, sendo que os deus se sentavam numa cadeira o aconselhando sobre o que fazer.
Suméria

Com o colapso da mente bicameral, se originou no mundo o que temos hoje, a noção do pecado, de penitência.
O que o colapso da mente bicameral coloca em xeque? 
Uma série de coisas, Por exemplo, na minha opinião, a história se torna obsoleta,sim. 
Nos ensinaram que “a história se repete”, mas e se não repetir? 
Se a consciência humana for sempre sofrendo alterações, a história dos homens nunca se repetirá. 
Mais me parece inútil olhar para exemplos históricos passados porque suas circunstâncias devem se entender sempre como diferentes das nossas.
O que eu acho é que esse colapso nos ensina sim,algo que há muito devíamos ter aprendido, a viver no presente.
Isso pode indicar que outros colapsos, ao longo da história, irão existir, o colapso de 2012 indicado por McKenna e narrado em Os Invisíveis por Grant Morrison pode acontecer, “O complexo de múltipla personalidade como opção de vida”, pode se tornar algo real.
E agora voltando a Alister Hardy, ele fala nessa entrevista de coisas bastante curiosas, por exemplo, como o homem parece sempre procurar aconselhamento em algum ser superior. 
Com o colapso da mente bicameral, e na ausência de alucinações, a noção de “deus” se tornou abstracta. 
O “Deus” perdeu sua antropomorfização e se tornou para a mente humana uma entidade diferente, mais complexa.
Hardy compara a relação dos homens com “deus” como a relação que o cão tem com os homens, esta é uma relação sobre a qual sei muito pouco, mas me parece muito curioso, como indica Hardy, que a certa altura os cães teria deixado de seguir o líder de sua matilha para seguir um ser de outra espécie,isso me parece muito curioso.
Muito curioso também as palavras inglesas para cão e deus (dog = cão e god = deus) se mostrarem uma inversão uma da outra,mera coincidência?
No discurso de Hardy se encontra algo que comecei a pensar recentemente, que o problema da religião não está na religião em si, mas nos seus líderes. 
E realmente, a diferença entre um Papa e um Dalai Lama me parece atroz. 
Como diz Hardy, “se Jesus Cristo vivesse hoje em dia, dificilmente seria um cristão”. Mas esse fenômeno, a que chamarei a decadência das elites, existe em todas as outras áreas.
Gosto do que Alain de Botton diz nessa palestra no Ted Talks,que pela primeira vez na história, vivemos numa sociedade em que o homem se venera a si mesmo. 
Esta nova religião, também conhecida como narcisismo, talvez seja um dos motivos de nossa decadência.
Ela deu origem à aberração da chamada “celebridade”, mas nem todos os egos parecem estar preparados para enfrentar semelhante coisa. Portanto, alguns entram em decadência.
narciso

This is my truth, tell me yours.( Esta é a minha verdade, diga-me a sua. )

Hora das assustadoras coincidências

Hora das assustadoras coincidências

Publicações pelo mundo a fora

Mark Twain

Mark Twain nasceu no dia do aparecimento do cometa Halley em 1835, e morreu no dia da sua próxima aparição em 1910. Ele mesmo previu isso em 1909, quando ele disse: "Eu vim com o cometa Halley em 1835. está chegando novamente no próximo ano, e espero sair com ele".
Halley

Em 1979, a revista alemã - Das Besteran - fez uma competição de redação. Os leitores enviaria histórias incomuns, mas eles tinha que se basear em incidentes verdadeiros. O vencedor, Walter Kellner de Munique, teve sua história publicada. Ele escreveu sobre um tempo em que ele estava voando um Cessna 421 entre a Sardenha e Sicília. Ele encontrou problemas no motor e caiu no mar, pousou na água, passou algum tempo em um bote de emergência e depois foi resgatado. 
Cessna 421

Esta história foi descoberto por um austríaco, também chamado Walter Kellner, que disse que o Kellner alemão tinha plagiado a história dele. O austríaco Kellner disse que ele tinha voado um Cessna 421 sobre o mesmo mar, eque problemas com o motor o forçou a pousar na Sardenha. Era essencialmente a mesma história, com um final ligeiramente diferente . A revista verificado ambas as histórias, e ambos acabou por ser verdadeiras, embora eles eram quase idênticas. 

Morgan Robertson

Em 1898 Morgan Robertson escreveu um livro que tinha muitos paralelos com o desastre RMS Titanic; no livro tem um transatlântico ficcional chamado Titan, que (como o Titanic), eventualmente, colide com um iceberg em uma calma noite de abril, enquanto estava a caminho de Nova York e no livro muitos morreram por causa da falta de botes salva-vidas. Vários outros detalhes no livro coincide com o desastre do Titanic. 
Titanic

O assustador é que mais tarde, ele escreveu um livro que descreveu uma futura guerra travada com aeronaves que transportava "bombas solares". Incrivelmente poderosas, uma bomba podia destruir uma cidade, em erupção em um flash de luz que cegava todos os que olharam para ela. Ele estava descrevendo a segunda guerra mundial e a guerra começou em dezembro para os EUA quando foram atacados pelos japoneses em um ataque furtivo no Hawaii.,Isso resultou na criação da bomba que mais tarde foi lançada no Japão e o resto agente já sabe....
Pearl Harbor

Segunda Guerra Mundial

Bomba nuclear

A morte chama duas vezes

Rei Humberto I

Em 28 de julho de 1900, o Rei da Itália Humberto I foi jantar em um restaurante na cidade de Monza. Descobriu-se depois que o dono do restaurante parecia idêntico ao rei. O nome do restaurante do proprietário era Humberto, o nome de sua esposa era a mesma da rainha e o restaurante foi aberto na mesma data em que ele se tornou rei. O proprietário do restaurante Humberto foi morto a tiros e no dia seguinte o Rei Humberto I foi baleado e morto.

Na hora certa

Anthony Hopkins

O ator britânico Anthony Hopkins (Que ficou  famoso pelo personagem  Hannibal Lecter e entre outros....). Ele ficou encantado ao ouvir que tinha conseguido o papel principal em um filme baseado no livro The Girl From Petrovka por George Feifer. Poucos dias após a assinatura do contrato, Hopkins viajou para Londres para comprar uma cópia do livro. 
Ele tentou várias livrarias, mas não encontrou o desejado livro,esperando o trem para voltar para casa numa estação subterrâneo na Leicester Square , ele notou um livro aparentemente descartado em um banco e ao pegar o livro ele se espantou e achou incrível era o The Girl From Petrovka.
Isso por si só teria sido coincidência o suficiente, mas na verdade era apenas o começo de uma extraordinária cadeia de eventos. 
Dois anos mais tarde, no meio de uma gravação em Viena, Hopkins foi visitado por George Feifer, o autor. Feifer mencionou que ele não tem uma cópia do seu próprio livro. 
Ele havia emprestado o último que tinha suas próprias anotações a um amigo que tinha perdido em algum lugar em Londres. 
Com um espanto, Hopkins entregou Feifer o livro que ele tinha encontrado e Feifer mais espantado ainda disse: 'Este é o meu livro perdido?' ele perguntou, olhando suas próprias anotações rabiscadas nas margens do livro. 
É Assustador isto tudo era o mesmo livro que o amigo tinha perdido.

Vidas traçadas

Abraham Lincoln

John F. Kennedy

Vida dos dois presidentes

Ambos os presidentes tiveram 7 letras em seu último nome (Lincoln) e (Kennedy).
Ambos tinha mais de 1,85m de altura.
Ambos os homens estudou direito.
Ambos sofria de doenças genéticas. Suspeita-se que Lincoln tinha doença de Marfan, e Kennedy sofria de doença de Addison.
Ambos serviram nas forças armadas. Lincoln era um capitão olheiro na guerra preta do falcão, e Kennedy serviu como um tenente da Marinha na Segunda Guerra Mundial.
Ambos eram capitães de barco. Lincoln era um capitão para o Talisman, um barco do rio Mississippi, e Kennedy era capitão do PT 109.
Ambos não tinha medo de sua mortalidade e dispensava os guarda-costas.
Ambos afirmaram muitas vezes o quão fácil seria para matar o presidente. Lincoln supostamente disse: "Se alguém quer tirar a minha vida, não há nada que eu possa fazer para impedi-lo." Kennedy supostamente disse: "Se alguém quer me atirar de uma janela com um rifle, ninguém pode pará-lo." Note-se que estas duas citações são cada 16 palavras.

A Morte dos dois presidentes

Ambos os presidentes foram baleados na cabeça, em uma sexta-feira.
Ambos estavam sentados ao lado de suas esposas quando levaram o tiro. Nem Mrs. Lincoln, nem a senhora Kennedy foi feridas. As esposas de ambos segurou a cabeça de seus maridos.
Lincoln sentou-se no camarote 7 no teatro e Kennedy andava no carro 7 na carreata Dallas.
Lincoln foi assassinado no Teatro Ford e Kennedy foi baleado em um carro da Ford, uma limusine Lincoln.

Os assassinos dos dois presidentes

Ambos os assassinos usaram três nomes: John Wilkes Booth e Lee Harvey Oswald. (Deve ser notado que Lee Harvey Oswald foi apenas conhecido como Lee Oswald antes do assassinato.)
Há 15 cartas em nome de cada assassino mandadas aos seus alvos.
Ambos os assassinos atacaram quando em seus vinte e poucos anos. Booth nasceu em 1838, e Oswald nasceu em 1939.
Cada assassino não tinha uma figura paterna forte em sua vida. O pai de Booth morreu quando ele tinha 13 anos e pai de Oswald morreu antes de ele nascer.
Cada assassino tinha dois irmãos cujas ás carreiras eles invejavam. dois irmãos de Booth eram atores mais bem sucedidos e Oswald invejava ás vidas militares de seus irmãos.
Ambos os assassinos eram soldados nas forças armadas. Booth foi um privado na Virginia Militia, e Oswald era um privado no Corpo de Fuzileiros Navais.
Ambos os assassinos eram nascidos no sul.
Ambos os assassinos eram conhecidos simpatizantes aos inimigos dos Estados Unidos. Booth apoiou a Confederação e Oswald era um marxista.
Booth atirou em Lincoln em um teatro e foi encurralado em um armazém. Oswald atirou em Kennedy de um depósito e foi encurralado em um teatro.
Cada assassino foi detido por um oficial chamado Baker. Lt. Luther B. ,Baker era o líder da patrulha de cavalaria que prendeu o assassino de Lincoln no celeiro . Diretor Marion L. Baker, um policial motociclista de Dallas, ele prendeu Oswald no segundo andar do Deposito de livros de escolas até que ele soube que ele trabalhava lá.
Ambos os assassinos foram mortos com um único tiro de um revólver Colt.

Família e amigos dos dois presidentes

Ambos se casaram na casa dos trinta. Lincoln se casou aos 33 anos e Kennedy se casou aos 36 anos.
Ambos casados,com mulheres de vinte e quatro anos de idade, de cabelos escuros.
As esposas de ambos morreram em torno da idade de 64. Mary Todd Lincoln morreu em 1882 na idade de 63 anos e 215 dias, e Jackie Kennedy morreu em 1994 na idade de 64 anos 295 dias.
As esposas de ambos eram conhecidos por sua alta moda em roupas.
As esposas de ambos renovaram a Casa Branca depois de muitos anos de negligência.
Cada casal teve quatro filhos, dois dos quais morreram antes de se tornar um adolescente.
Cada casal perdeu um filho, enquanto na Casa Branca. Willie Lincoln morreu aos 12 anos em 1862, e o filho de Kennedy Patrick morreu dois dias depois de seu nascimento, em 1963.

Política dos dois presidentes

Ambos os presidentes foram eleitos para a Câmara dos Deputados em '46.
Ambos foram vice para a nomeação do partido para o vice-presidente em '56.
Ambos foram eleitos para a presidência em '60.

Vice-presidentes dos dois presidentes

Ambos eram democratas e seus vices tinham o nome Johnson no nome tanto Lincoln e Kennedy (Andrew Johnson e Lyndon Baines Johnson.
Andrew Johnson nasceu em 1808, e Lyndon Johnson nasceu em 1908.

Há seis letras no nome de cada Johnson.

Ambos os Johnsons serviram nas forças armadas. Andrew era um general de brigada na Guerra Civil e Lyndon era um comandante da Marinha dos Estados Unidos durante a 2 ª Guerra Mundial.
Ambos os Johnsons eram ex-senadores do sul.
Ambos os Johnsons optou por não concorrer à reeleição em 68.

Colônias no espaço?


Colônias no espaço?

16/04/2014

Uma ideia ambiciosa fazer casas no espaço ou seja colônias.Isso tudo está sendo ressuscitado por um think tank. Se você acha que isso soa absurdo, vale a pena observar este grupo previu viajar para Lua 30 anos antes de acontecer.
As colônias espaciais serão imensas espaçonaves com formato próximo ao de um cilindro, com um eixo central girando em velocidade constante. Tal rotação seria a responsável por criar a gravidade artificial que permitirá viver uma vida em condições semelhantes aos de nosso planeta.
Conceito de relançamento do Espaço think tank Britânico Interplanetary Society.Que revive uma ambiciosa idéia da Década de 1970 , Construir Enormes colônias no Espaço. (Nasa Ames Research Center). 
Imagine uma paisagem intocada de campos férteis e florestas e montanhas imponentes e Cidades prósperas espalhadas pelos campos.
Testes já começaram com a Estação Espacial Internacional.
Estação Espacial Internacional é um laboratório espacial completamente concluído, cuja montagem em órbita começou em 1998 e acabou oficialmente em 8 de Junho de 2011 na missão STS-135. A estação encontra-se em órbita baixa (entre 340 km e 353 km), que possibilita ser vista da Terra a olho nú, e viaja a uma velocidade média de 27.700 km/h, completando 15,77 órbitas por dia. 
Este conceito colônia espacial, elaborado pelo falecido físico Gerard O'Neill Princeton, em meados da década de 1970, mas seu ambicioso plano agora está sendo revivido pelo espaço think tank britânico Interplanetary Society (BIS). A organização tem formas de defender idéias que não são necessariamente tão descontroladamente excêntricas quando elas aparecem pela primeira vez. Na década de 1930 ele veio com um plano detalhado para um foguete multi-estágios e um módulo lunar tripulada , que se parece muito com a missão que 30 anos mais tarde foi entregue com sucesso a Nasa para que Neil Armstrong e Buzz Aldrin fossem à Lua.

Gerard Kitchen O'Neill

Ao ensinar física na Universidade de Princeton, O'Neill ficou interessado na possibilidade de que os seres humanos poderiam sobreviver e viver no espaço. Ele pesquisou e propôs uma idéia futurista para o assentamento humano no espaço, o cilindro de O'Neill, em "A colonização do espaço", seu primeiro trabalho sobre o assunto. Ele realizou uma conferência sobre fabricação e espaço na Universidade de Princeton em 1975.
O'Neill construiu seu primeiro protótipo de um motorista de massa(nome meio estranho!) com o professor Henry Kolm em 1976. Ele considerou motoristas de massa crítica para a extração dos recursos minerais da Lua e os asteróides . Seu livro premiado The High Frontier: colônias humanas no espaço inspirou uma geração de defensores de exploração espacial. Ele morreu de leucemia em 1992.
Britânico Sociedade Interplanetária (BIS)
Fundada em Liverpool(Londres) em 1933 por Philip E. Cleator, é a mais antiga organização de defesa do espaço no mundo. Seu objetivo é apoiar e promover a astronáutica e a exploração espacial. É uma organização sem fins lucrativos e é financiada por contribuições dos membros. BIS publica a revista acadêmica Journal of the Sociedade Interplanetária Britânica e da revista voo espacial . Ela está situada no Sul Lambeth Road ( A203 ), perto de estação de Vauxhall , e não muito longe do Serviço Secreto de Inteligência.
Na década de 1930, o principal trabalho da Sociedade Interplanetária Britânica foi explicar ao público que explorar o espaço não era uma idéia "ridícula", diz Jerry Stone, líder do Projeto de Estudo Avançando Colônia de engenharia (veja o que eles fizeram lá?). "E o que eu estou tentando fazer com o projeto colônias espaciais é algo semelhante, para mostrar que a construção de uma grande colônia espacial é tecnicamente viável"
Proposta colônia espacial original de O'Neill começou como um exercício para um grupo de estudantes da Universidade de Princeton. "É uma superfície planetária o lugar certo para uma civilização tecnológica em expansão", questionou-los. Depois de alguns meses, e um grande número de cálculos, a resposta veio um sonoro "não". Isto levou a se interessar em habitats humanos alternativos além da Terra, e ele concebeu naves giratórias gigantes contendo paisagística biosferas e habitação de até 10 milhões de pessoas.
Universidade de Princeton
"Há duas grandes vantagens da construção de uma colônia no espaço, em vez de um planeta", explica Stone. "Você tem a energia do Sol 24 horas por dia, para que possa concentrar-se essa energia natural para derreter materiais ou usá-la para gerar energia, e você pode girar o habitat para criar a gravidade que você deseja."
Estas colônias movidas a energia solar seria posicionadas em pontos de Lagrange, áreas estáveis no espaço onde as forças gravitacionais efetivamente equilibra o outro. Eles, portanto, não precisam de seus próprios sistemas de propulsão. Viajar para estas colônias levaria semanas, em comparação com os meses necessários para chegar a Marte.
Lagrange - Diagramas de movimento orbital de um satélite ao redor da Terra, mostrando a velocidade e aceleração.
A hipotética habitação permanente, autônoma e sustentada de seres humanos em outros locais que não o planeta Terra. É um dos principais temas da ficção científica, assim como o objetivo a longo prazo de vários programas espaciais, como a NASA e a ESA almeja.
National Aeronautics and Space Administration – (Administração Nacional da Aeronáutica e do Espaço)
Eu ropean Space Agency -(Agência Espacial Européia)

Postagem em destaque

Um olhar para os piores lugares do mundo para viver 2019.

Um olhar para os piores lugares do mundo para viver 2019. A bela cidade de Paris, cidade da luz está em 78 das 82 cidades do rank...